Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Comida di Buteco 2013 - Café Bahia

O evento

O Comida di Buteco é um concurso que teve início no ano 2000, e está em sua 14ª edição. Ao longo do tempo cresceu, angariou patrocinadores e se capitalizou. Espalhou-se por todo o Brasil e, há seis anos, obriga os bares a criarem pratos com ingredientes pré-determinados. Entre muitos sabores e alguns dissabores, este blog volta a percorrer os bares participantes, procurando visita-los em dias e horários alternativos para fugir das filas. Nas postagens referentes a este momento daremos maior enfoque nos pratos, até pelos bares se encontrarem fora da sua dinâmica habitual.

O prato

O Café Bahia é um tradicional boteco de BH, mas apenas em 2012 estreou no evento. Também conhecido por Passarinho, em razão do seu folclórico garçom, em 2013 o bar atacou de “Combinado não sai caro” (linguiça de pernil com provolone flambada, torresmo de barriga, medalhão de quiabo e mandioca foguinho, acompanhado de molho de mostarda da casa). Na linguiça, que é do tipo aperitivo, não se notou nenhum provolone. O torresmo de barriga também não encantou, principalmente por estar sobremaneira gorduroso. O medalhão de quiabo, ao contrário, foi o destaque do prato, tanto que pedimos outra porção só com o criativo item. A mandioca foguinho, por fim, se mostrou no máximo razoável, e da mesma forma molho de mostarda da casa.


 O atendimento das mesas externas, comandado pelo Passarinho, se manteve dentro do esperado, e o pequeno banheiro, no melhor estilo cubículo, estava limpo. O ponto negativo, dentre os aspectos secundários, foi a restrição das cervejas aos rótulos premium. Pior ainda foi quando a Original gelada acabou, e tivemos de consumir Bohemia, que no Café Bahia custa R$ 5,90 cada garrafa.

Outras informações sobre o bar, como endereço e horário de funcionamento, podem ser encontradas aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário