Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Comida di Buteco 2013 - Barbazul

O evento
O Comida di Buteco é um concurso que teve início no ano 2000, e está em sua 14ª edição. Ao longo do tempo cresceu, angariou patrocinadores e se capitalizou. Espalhou-se por todo o Brasil e, há seis anos, obriga os bares a criarem pratos com ingredientes pré-determinados. Entre muitos sabores e alguns dissabores, este blog voltou a percorrer os bares participantes, procurando visita-los em dias e horários alternativos para fugir das filas. Nas postagens referentes a este momento daremos maior enfoque nos pratos, até pelos bares se encontrarem fora da sua dinâmica habitual.
O prato
O Barbazul é um dos primeiros participantes do Comida di Buteco, e depois de alguns anos fora do evento, voltou em 2009 sob a direção de um antigo garçom do bar. Para a edição atual, criou o “Foi na língua agora é na lingüiça”, que se trata de linguiça ao molho de mel com gergelim acompanhada de brochetes de medalhão, e é vendida a R$ 22,90. Nele, a linguiça é razoável, porém diferente da foto de divulgação, onde cada pedaço parece ser amarrado nas pontas. O mel prometido ao molho, por sua vez, não foi notado.
Melhores que as linguiças, os brochetes de medalhão se destacam pela criatividade. Em cada um dos quatro espetos, que são fritos, há um pedaço de mandioca envolta em bacon, uma fatia de banana da terra, e outra de jiló empanado. À batata assada que serve de suporte aos brochetes, por fim, considerei que faltou tempero.
Falando dos itens secundários, entendo que o atendimento tenha sido no máximo regular, dado o contraste entre alguns garçons simpáticos e outros marrentos. A venda das cervejas clássicas, tais quais a Brahma e a Skol, foi vetada pelo bar. Fomos de Original (R$ 7,00), cujos cascos esquentavam muito rapidamente no balde. Já o ambiente, com várias mesas no passeio, é indiscutivelmente aprazível.
Outras informações sobre o bar, como endereço e horário de funcionamento, podem ser encontradas aqui.

3 comentários:

  1. Concordo plenamente com tudo que foi dito.parabens pelo comentario.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelo elogio ao blog, Geraldo, e também pela dica da carne de panela. Iremos experimentar em breve.

    ResponderExcluir