Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

sábado, 6 de abril de 2013

Xapuri - 10/02/2013


O Xapuri faz o estilo rústico, ligeiramente abafado dependendo do ambiente onde se esteja, mas amplo e aconchegante como os restaurantes-fazenda do interior mineiro. Sua fama não é de hoje, e as premiações concedidas à cozinha vão se acumulando ano após ano. Para as famílias com crianças, que são maioria nos finais de semana, há passeios de pônei e charrete aos sábados e domingos. Apesar de toda a estrutura interna, falta um estacionamento próprio, ou ao menos a presença de seguranças tomando conta dos carros parados na ruas utilizadas para este fim.


Fomos para almoçar, mas antes quisemos beber uma cerveja. A R$ 9,00 a Original (ou R$ 8,00 a Brahma / Bavaria Premium), o restaurante se mostrou não propicio a um butecage, mas tão somente para o repasto, até porque os petiscos mais simples orbitam na faixa dos R$ 50,00. Seja como for, é justo mencionar que a cerveja da casa é servida bem gelada.

Dentre as refeições, cerca de dez pratos, e mais meia dúzia de variações para o frango, que no Xapuri é de granja. Fomos de costelinha sinhá (R$ 72,00), que em que algumas publicações do gênero informam atender 4 pessoas, mas que na prática, e com o acréscimo de uma porção de arroz ao alho (R$ 15,00), nos serviu medianamente. Alerto que seja um prato compatível a não mais de três bocas, podendo ser exagerado para apenas duas pessoas.


Falando do prato em si, trata-se de costelinha frita, acompanhada de mandioca, também frita, com uma porção de arroz, uma porção de feijão tropeiro e uma porção de couve. A costelinha é saborosa, bem frita, mas a mandioca estava ligeiramente passada, o que a tornou ressecada. O arroz é soltinho e saboroso, o que atualmente é uma raridade em restaurantes. Já o feijão tropeiro, para quem conhece o prato servido no Silvio's Bar, vê que poderia ser bem melhor. A couve foi cortada e passada com esmero, e o arroz ao alho, pedido a parte, estava muito saboroso apesar do óleo exagerado.


Para a sobremesa há um bufê com inúmeras variações, ao preço de R$ 65,00 o quilo. Aprovei a ambrosia e o figo, mas nem tanto o doce de clara de ovos. O cafezinho, que pode ser adoçado com rapadura, é cortesia da casa, que ainda dispõe para a clientela uma lojinha com opções diversas de suvenir. Tudo podendo ser pago com cartão de crédito ou débito.

Quanto ao atendimento, o que parece é que cada garçom fica responsável por determinadas mesas. Pena que só descobrimos isso depois de termos dois pedidos não retornados quando solicitados a qualquer outro garçom. Poderiam, cada um deles, explicar aos clientes essa sistemática tão logo se acomodem.


No final das contas, e tendo como base sobretudo a comida, considero que o Xapuri não vale o que cobra. Quem tem na família uma avó, uma sogra ou uma esposa que conhece bem a culinária mineira irá me entender. Há pratos que foram descaracterizados para agradarem o público da "cidade grande" e, além disso, arroz e feijão não é algo que se regre em um bom representante da nossa cozinha. É interessante, certamente, mas acredito que o grande destaque se deve mais à fraquíssima concorrência do que à sua própria excelência.


Notas:

Ambiente: 3
Atendimento: 3
Bebida: 4
Comida (peso 2): 4
Custo-benefício: 3

Média Final: 3,5 estrelas


Xapuri
Rua Mandacaru, 260 - Braúnas - Belo Horizonte - MG
Tel: 31.3496-6198
Pagamento: cartão de crédito ou débito
Preço médio por pessoa: R$ 80,00

*Consumo individual, em rateio ou não, de uma porção para dois, ou duas porções para um, de preço médio, acrescida(s) de duas bebidas, serviço e couvert/entrada, quando houver. As bebidas podem ser duas cervejas, de 600 ml, ou dois drinks, ou duas doses de cachaça, dependendo da especialidade do bar.

4 comentários:

  1. Taí um cara que pode falar bem da comida mineira, conhece como ninguém esse interiorzão de Minas!!! hehhee

    Bem carin esse Xapuri hein, deve ser pra selecionar bem o público "AAA".
    Creio que não precisa gastar tanto pra saborear o que temos de melhor!

    Abçs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Diogo, não vivi o interior pelo mesmo tempo e na mesma intensidade que você tem vivido, por quase uma década, estou correto? Mas no meu caso foram três anos que, creio eu, já me permitem alguns palpites e comparações.

      Você está certíssimo quanto à intenção do Xapuri, e apenas para que você tenha uma ideia, ali se paga R$ 10,00 por uma panelinha extra de chuchu refogado.

      Um abração!

      Excluir
    2. Eita!!! 10 paus por chuchu?! Putz! Se fosse tomate eu até entenderia... rsrsrs
      Quem tem paga né, é a lei!

      Excluir
  2. Estive nesse restaurante no dia das mães! Fila de 2 e 30 horas de espera! Interessante é que eles faturam alto com a espera , vendendo caríssimo as bebidas e os petiscos! Não vale mesmo o que cobram! Comida mineira trivial: arroz , feijão, farofa. batatas assadas,etc e desprovida dos temperos mineiros, cebolinhas, salsas,pimentas, alho! Exploração pura! Serviço muito ruim! |Pessoal altamente desinteressado em prestar um bom atendimento! Comida pobre, mal feita e serviço ruim!

    ResponderExcluir