Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Choperia Devassa - 02/12/2011



A Choperia Devassa, cuja matriz funciona no Rio de Janeiro, abriu sua primeira franquia belo-horizontina em 2009, na Getúlio Vargas esquina com Professor Morais. Dois anos depois inauguraria a sua segunda unidade por aqui, esta situada no disputadíssimo bairro de Lourdes. Entretanto, conforme especuladores do meio gastronômico, a expansão da rede na capital dos bares não para por aí, já que estão previstas uma filial para a Região da Pampulha, já para 2012, e outra no Belvedere, que seria aberta em 2013.

Logo quando inaugurada, a Choperia passara a chamar a atenção de quem freqüenta a Savassi, já que ocupa um considerável imóvel, dentro do qual distribui os ambientes em dois pisos e três varandões. Infelizmente não foi apenas por este motivo que a empreitada se fez notar, haja vista que pesadas reclamações sobre o atendimento foram relatados por um cliente, através de um e-mail que circulou fortemente a partir de março de 2010. A mensagem fazia referência a um antigo Gerente, denominado Índio, que conforme a “assessoria de imprensa” da Devassa seria demitido após terem tomado conhecimento do episódio. Tendo compartilhado esta lenda urbana, tratemos de fazer aqui uma avaliação contemporânea do estabelecimento em questão, afinal foi neste mês de dezembro que enfim conheci a comentada choperia.

Já passava das 21h quando chegamos àquele bar, e como a noite estava chuvosa optamos pelo primeiro piso em detrimento de qualquer das varandas. Ao nos sentarmos tivemos de esperar por não menos de dez minutos, até que algum garçom fosso caridoso o suficiente para nos atender. Eu fui de chopp tradicional, que por lá recebe o apelido de Loura, custando R$ 5,30 cada tulipa de 300 ml. Já Vivian pediu um suco de laranja com acerola, que se fosse bom seria caro por R$ 6,50. Porém se trata de uma verdadeira água aromatizada, como diria o Rodrigo do Blog Turista Amador, e assim sendo o preço do copo se torna um deboche.

Na hora de petiscar demos umas boas folheadas no cardápio, que apesar de extenso não apresenta opções que fujam muito do trivial. Fomos de Piu Piu, que é o frango a passarinho da casa, e através do mesmo foi possível constatar que a cozinha se destaca perante aos demais quesitos. São recortes de variadas partes do frango, temperados com generosa quantidade de alho e muito bem fritos, tornando saborosa inclusive a crocante pele da ave. Pela porção, que atende duas pessoas, pagam-se honestos R$ 22,00.

A decoração de toda a choperia é de encher os olhos, remetendo aos tradicionais botequins cariocas, e os banheiros são razoáveis, porém disponíveis apenas no segundo piso. Na hora de encerrar a conta um novo teste de paciência junto aos garçons, que nem de longe remete ao malfadado conto do Índio, claro, mas que por outro lado me dá tranqüilidade quando atribuo o conceito REGULAR à afamada choperia.


Serviço:
Choperia Devassa
Av. Getúlio Vargas, 809 - Funcionários
Tel: 3223-2356
.

4 comentários:

  1. Por 3 vezes imprevistos me "pouparam" da visita à esta chopperia, no entanto, creio não ter perdido grande coisa. De qualquer forma aguardo a filial Pampulha para finalmente conhecer a sempre polêmica Devassa.
    Abraços!
    Gê.

    ResponderExcluir
  2. Pois é brother, e ontem ainda fiquei sabendo, um pouco atrasado, que na filial de Lourdes o serviço é de melhor qualidade...

    Também estou no aguardo da unidade Pampulha, que tenho certeza, será a mais charmosa delas!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  3. Em 2009 tentei ir lá, não sei pq os seguranças não nos deixaram entrar, já que de fora víamos mesas vazias e não reservadas. Peguei antipatia desde então, e depois que rolou o tal mail rebentando o lugar eu achei foi pouco e bom! rsrsrs
    Falei.

    ResponderExcluir
  4. Situação chata, Diogão, que torna essa sua aversão mais do que justificável.

    A bem da verdade é que não há nada melhor aos botequeiros do que um bar cujo dono esteja presente e atuante. E isso jamais será visto em franquias, onde geralmente a alma lhes falta.

    ResponderExcluir