Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

domingo, 30 de outubro de 2011

Parrillero - 21/10/2011


O Restaurante Parrillero, como o próprio nome diz, é especialista em carnes à moda platina, ou seja, preparadas na parrilla. Nela os cortes são assados em brasa incandescente, o que faz da técnica diferente daquela aplicada ao churrasco nosso de cada dia, cujo fogo é essencial. Não é a primeira visita que faço ao local, mas pela primeira vez não consideramos irretocáveis o serviço e a comida.

Situada em região nobre da Pampulha, há dois quarteirões da Lagoa, a casa dispõe de quatro ambientes, e nas sextas-feiras oferece aos clientes música ao vivo, destacando-se no repertório a MPB e o Pop Rock. Soubemos também que às quintas-feiras há apresentações de stand up, e nos finais de semana, quando abre durante o dia, o restaurante proporciona atrações aos pequenos, com seus viveiros e passeios de pônei.

O atendimento em geral é dos mais profissionais, mas dessa vez erraram feio ao não nos informar previamente sobre o encerramento da cozinha. Quando nos demos conta, por volta de meia noite e meia, nossa mesa estava ladeada por absoluto vazio, e o garçom já anunciava o encerramento do bar. Dessa forma, tivemos de deixar para outra ocasião novas rodadas do bom chopp da Backer (R$ 4,50), ou ainda experimentarmos alguma das cervejas artesanais da mesma marca, a partir de R$ 8,00, e muito menos poderíamos bebericar uma garrafa de Antarctica Original a R$ 5,90 cada.

Logo em nossa chegada havíamos devorado uma porção de asinhas de frango recheadas com bacon e salteadas com muçarela (R$ 28,50), cujo recheio passou longe. Também petiscamos uma razoável carne de sol na parrilla com mandioca cozida, muito regrada pelos R$ 36,60 que foram dispensados.

Como os pratos iniciais não foram suficientes para suprir as nossas expectativas naquela noite, arriscaríamos minutos depois com a morcilla (ou morcela). Como nem todos se apeteceram por aquele salsichão deveras feio, recheado principalmente por sangue coagulado, uma prosaica travessa de fritas como acompanhamento, vá lá. Mas a grande novidade do dia era a morcilla, que contudo foi devolvida na primeira prova, por estar demasiadamente fria. Na segunda tentativa pelo menos chegou morna, porém um pouco menos consistente do que esperávamos. Seja como for ainda me faltam parâmetros para avaliar essa iguaria típica, e por certo terei que visitar outras casas especializadas para então proferir o meu veredicto sobre a dita cuja. Considerando tão somente esta experiência no Parrillero, avalio que o patamar da morcila seja REGULAR, assim como é a cotação atual da casa.

Serviço:
Parrillero
Av. Portugal, 180 – Pampulha
Tel: 3496-9966
.

4 comentários:

  1. Otimo comentário Pedrão, o Parrillero no meu ver é um local agradável, com preços salgados, tive o "prazer" de almoçar num domingão de sol, onde o chopp estava numa temperatura legal, mas ao solicitarmos o gaçom nosso almoço (arroz com alho, feijão tropeiro, fritas e frango grelhado) que por sua vez aguardamos 01:40 hrs ao fazer o fechamento tivemos a surpresa de pagar $ 172,00 num simples almoço onde qualquer outro restaurante pagaríamos a metade do valor. Um forte abraço. Dede

    ResponderExcluir
  2. Eita, valeu mesmo pelo comentário aê meu filho. Qdo passar pela lagoa lembrarei de dar a volta pelo outro lado, para não passar nem perto desse Parriello!!! Hehehe
    Salsichão é foda, e ainda caro! Dá naum...

    Abrçs,

    ResponderExcluir
  3. Grande Dedé!

    Os preços por lá de fato não são dos mais atrativos, mas ao menos o serviço e a refeição foram impecáveis nas visitas anteriores. Como derraparam até nisto da última vez, o custo-benefício tornou-se bem pouco vantajoso.

    Aquele abraço, meu velho!

    ResponderExcluir
  4. Isso aí, Diogão!

    Pra contornar a lagoa, ainda mais em tempos de obras na Região e de lei seca, o motivo deve ser mesmo um pouco mais forte. Quanto à morcilla, apesar de crer que existirão outras melhores, ainda assim merece ser experimentada. É tal qual o chouriço para nós, ou seja, totalmente "di buteco", hehehe.

    Abração!

    ResponderExcluir