Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

domingo, 9 de setembro de 2012

Comida di Buteco 2012: Sion e Anchieta

Falando de outros dois bares da Zona Sul que integraram o Comida di Buteco 2012, registramos aqui a nossa opinião sobre os petiscos apresentados pelo Bar do Antônio (Pé de Cana) e pelo Bar 222.

Iniciando pelo bar do Sion, foi pelo segundo ano seguido que o prato do Pé de Cana me passou uma impressão de pouco cuidado quanto à sua execução. Repetindo o agrião de outros anos no quitute "Costelinha embriagada", o pachá mineirinho que acompanha é saboroso, porém o componente principal derrapou feio. Servida já fatiada, em apresentação diferente da original, a costelinha é quase nada aproveitável, tornando desproporcional o valor de R$ 22,90 cobrado pelo petisco, que mais recentemente viria a ser reajustado para R$ 28,00.

No que tange aos itens secundários não tenho do que reclamar. O atendimento deu conta do recado, tendo o garçom nos servido Brahma gelada (R$ 5,00) durante toda a nossa permanência. A higiene também esteve dentro do esperado, e o ambiente agradável como de praxe. Ao que parece, são esses aspectos que vêm segurando a fama do Pé de Cana, hoje um dos mais famosos bares da cidade.

Sobre o outro bar daqueles arredores, admito que de início a visita ao 222 não constava nos meus planos. Porém, como já estávamos próximos, a mesma acabou acontecendo por uma questão de logística.

Logo ao chegar encaramos uma fila que beirou uma hora de espera, tendo passado por uma mesa que não comportava a todos antes de chegarmos à definitiva. Bebemos Original ao preço de R$ 6,00, servidas com cortesia pela equipe do Bar, e ainda experimentamos o shot (R$ 4,00), drink este que é uma das especialidades da casa.

Quanto ao prato, ressalto antes de tudo que não entendo bruschettas como comida de boteco, o que de cara já lhe tira alguns pontos. Apesar de não combinar com a cerveja gelada, considerei o sabor interessante, mesmo não tendo conseguido distinguir um ou outro dos ingredientes que foram prometidos. Já os espetinhos de queijo com goiabada são meros coadjuvantes.


No fim das contas considero que a visita valeu a pena, mas antes de tudo por termos tido a possibilidade de retornar a este bar de agradável ambiente. A quem ainda não conhece, vale a dica sobre o recebimento de cartões no pagamento, e também o alerta quanto à dificuldade para estacionamento no entorno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário