Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

terça-feira, 6 de agosto de 2013

André Caldos - 26/07/2013

Conhecemos o André Caldos a convite de parentes que moram no Salgado Filho, há uns quatro anos atrás. Desde então foram várias visitas, através das quais pudemos acompanhar o aumento das mesas e a evolução do cardápio. Já me esqueci da última vez que não se viu uma fila à porta, e o sucesso alcançado pela casa se explica, principalmente, pela ótima qualidade da cozinha.


Como de outras vezes, chegamos ao bar motivados pelo seu carro chefe, que afirmo sem medo de errar, são os melhores caldos de BH. Já estivemos em outros bares especializados, como o Petiskaldos, o Verdim e o Nonô, e também provamos ótimos caldos em bares com expertise no assunto, tal qual o Bar da Cida, o Silvio’s Bar, a Mercearia Lili e o Bar do Ciro. Acredito que, além do bom tempero e do preparo caprichado, seja o cozimento no fogão de lenha o seu maior trunfo.


Antes de tomar o caldo, porém, bebericamos algumas garrafas de Original (R$ 6,30), que é a única opção às clássicas Itaipava (R$ 5,00), Brahma e Skol (R$ 5,90 cada). Como alternativa à cerveja, o cardápio lista somente a caipirinha e a caipivodka, mas eventualmente são ofertados coquetéis a base de frutas no quadro, como o de abacaxi (R$ 10,00).


Para petiscar, a grande novidade é o bufê de tira-gostos, que ao preço de R$ 32,90 o quilo, dispõe vinte opções de itens quentes. Para conhecê-lo, fiz um prato com torresmo de barriga, batata ao alho, linguiça defumada e mandioca frita.


Mesmo que o último item estivesse ligeiramente murcho, por culpa do banho-maria onde se conservam quentes os petiscos, tudo estava muito saboroso. Nosso prato, que custou R$ 10,00, recebeu ainda boas gotas da interessante malagueta disponível à mesa. Língua ao molho, moela, almôndega, pescoço de peru e medalhão de frango, dentre outros, ficaram para oportunidades futuras.


Caso prefira petiscos feitos na hora, há opções mais triviais, como o contra filé com fritas (R$ 29,90), a linguiça com mandioca (R$ 26,90) e o frango a passarinho (R$ 27,90), todas elas atendendo de três a quatro pessoas. Além dos itens listados no cardápio, também a sugestão do quadro, que no dia era língua gratinada, ao preço de R$ 34,90. Se a fome apertar, peça o famoso “arroz ximicano”, que é o arroz com bacon, calabresa, carne de sol e ovo (R$ 12,90), ou então o risoto de camarão, que além do crustáceo leva palmito, arroz e azeitona (R$ 19,90).


Voltando ao quitute que dá nome ao bar, foi com um caldo mexicano e outro de mandioca que fechamos a nossa estada. O primeiro é o meu favorito, mas vale um alerta aos tradicionalistas quanto à sua receita, que foge do usual. Além do feijão roxinho inteiro e da carne moída, o mesmo recebe bacon, linguiça defumada, carne seca e pernil. Não bastasse essa abundância em carnes, o caldo é coberto por torresmo e cebolinha, que só são adicionados com o aval do cliente.


O de mandioca é igualmente farto em carnes, e há também a dobradinha, a canjiquinha e o caldo de mocotó, todos custando o mesmo preço (R$ 7,90). Depois de degustá-los no bar, levamos para casa um marmitex de caldo, que comporta quase duas tigelas, e custa R$ 12,00.


O atendimento da casa, que não cobra os 10% a título de gorjeta, tem no olhar atento do André um dos seus diferenciais. Saltando de mesa em mesa, apresentará sempre alguma boa sugestão para beliscar. Ingressaram na equipe do bar, recentemente, duas experientes garçonetes oriundas do Agosto Botequim, as quais contribuem para um serviço ainda melhor.


Encerro falando da rústica atmosfera, com mesas e cadeiras em madeira, e ornamentado por antiguidades diversas. O balcão onde funciona o caixa do boteco, com direito à balança e baleiro, remete aos armazéns de vilarejos interioranos. Em outro ambiente, mais ao fundo, fica exposta a coleção de vinis do dono.

Notas:
Atendimento: 4
Ambiente: 3
Bebidas: 3
Comida (peso 2): 4
Custo-benefício: 5
 
Média final: 4 estrelas

André Caldos
Av. Raul Mourão Guimarães, 370 – Palmeiras – Belo Horizonte – MG
Tel: (31) 3312-2588
Pagamento: Cartão de crédito ou débito
Preço médio por pessoa: R$ 30,00
 
*Consumo individual, em rateio ou não, de uma porção para dois, ou duas porções para um, de preço médio, acrescida(s) de duas bebidas, serviço e couvert/entrada, quando houver. As bebidas podem ser duas cervejas de 600 ml, quatro cervejas de 350 ml, dois drinks, ou duas doses de cachaça, dependendo da especialidade do bar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário