Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Adriano Imperador da Cerveja - 26/06/2013

O bar Adriano Imperador da Cerveja, inaugurado em 2012, caiu rapidamente no gosto do belo-horizontino, tendo sido matéria em publicações do gênero, bem como resenhado por vários dos colegas blogueiros. O principal motivo, acredito eu, é a sua boa oferta de cervejas especiais e importadas, aspecto este cada dia mais valorizado pela crítica. No nosso caso, somos também apreciadores dos segmentos mais nobres da bebida, porém não chegamos ao ponto de recusar a velha e boa Antarctica nos casos em que o bar visitado só trabalha com rótulos comerciais.
 

Nossa chegada ao botequim aconteceu logo após o jogo da Copa das Confederações que classificaria o Brasil para a final do torneio, partida esta que, como as dos clubes de Minas, foi transmitida pela sua LCD. A maior parte das mesas estava ocupada, mas conseguimos assento em local que dá vista a todo o salão principal. Além deste ambiente, há algumas banquetas no passeio, que é a área destinada aos fumantes.

Avaliando a carta de cervejas, que lista mais de 100 rótulos, observamos antes de tudo que a casa simplesmente não trabalha com produtos da AMBEV, de forma que a loira de preço mais camarada é a Austria Pilsen, a R$ 11,20 na tradicional garrafa de 600 ml. Não foi esta a nossa primeira escolha, mas sim a X-Wäls (R$ 12,40), que infelizmente era representante do “tem, mas acabou”, e que nos deixou em dúvida sobre a existência dos tais cento e pouco rótulos. Escolhemos então uma segunda cerveja, que foi a Colorado Cauim, ao preço de R$ 21,10 cada garrafa de 600 ml. Ficamos nesta, deixando para outras oportunidades a Paulistânia Larger (R$ 11,80 em casco de 600 ml) e a Falke Estrada Real (R$ 19,40 na garrafa de 600 ml), por exemplo. Em um comparativo rápido entre os cinco preços acima e os encontrados nas prateleiras do Verdemar, observei que o Adriano Imperador da Cerveja pratica preços 41% mais caros do que os do supermercado. Sinceramente, não sei dizer se é justo ou não.


Somente ao visitar o banheiro, que por sinal é limpo e espaçoso, soube da existência do chopp, que não é discriminado no cardápio e tampouco informado pelos garçons. O quadro na parede do corredor elenca os dois ou três “taps” disponíveis, partindo do Heineken, a R$ 7,50.

Para petiscar, o cardápio relaciona ainda mais opções que a carta de cerveja. Dentre as onze varieades de bruschetta, ficamos com a de bacon com geleia de damasco e queijo (R$ 17,40, com 6 unidades). Receoso de que o sabor do bacon predominasse, o que aconteceu foi exatamente o inverso, já que a geleia de damasco é quem roubou a cena, revelando um ligeiro desequilíbrio entre os ingredientes.


Como éramos apenas dois, desistimos dos bem falados Eisben (joelho de porco pururucado, acompanhado de chucrute, maionese de batatas e mostarda), que custa R$ 46,00, e Surpesa Crocante (lombinho recheado com queijo e pururucado com farinha de torresmo, acompanhado de polenta frita e barbecue), por R$ 33,40 a porção. Optamos pela unidade de salsichão com queijo, honesto, e que vai à mesa acompanhado de batata bolinha temperada, além das mostardas clara e escura (R$ 12,20).


O atendimento é razoável, e só falhou ao não informar com precisão o queijo que foi em nossas bruschettas. Eventualmente há rodadas duplas de chopp, que não são informadas in loco, mas através da fan page do bar. Seria injusto, por fim, não destacar o seu interessante horário de funcionamento aos domingos, quando fica aberto até as 02h da madrugada.

Notas:

Ambiente: 3
Atendimento: 3
Bebida: 4
Comida (peso 2): 3
Custo-benefício: 3

Média final: 3 estrelas
 


Adriano Imperador da Cerveja
Rua Cristina, 1270 – Santo Antônio – Belo Horizonte – MG
Tel: (31) 3586-9066
Pagamento: cartão de crédito ou débito
Preço médio por pessoa: R$ 80,00*

*Consumo individual, em rateio ou não, de uma porção para dois, ou duas porções para um, de preço médio, acrescida(s) de duas bebidas, serviço e couvert/entrada, quando houver. As bebidas podem ser duas cervejas de 600 ml, ou quatro cervejas de 350 ml, ou dois drinks, ou duas doses de cachaça, dependendo da especialidade do bar.

4 comentários:

  1. Obrigado pelo belo Post Pedrão, é ótimo quando recebemos críticas sinceras como essas, vamos crescendo! Pela foto eu consigo ver que exatamente nesse dia ela foi servida com Muçarela no lugar do Parmesão, o gosto forte do Parmesão é o que contrastra bem com o doce da geleia de damasco, sendo assim a observação quanto ao desequilíbrio dos sabores é pertinente.
    Vamos passar todas as críticas para a equipe e tentar melhorar sempre, obrigado mais uma vez!
    Adriano, Imperador da Cerveja
    Grande abraço do Imperador e mais uma vez obrigado pelos elogios!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luis!
      Sou eu quem lhe agradeço, pela visita e pelo retorno.
      Como creio que é o olhar atento dos donos que garante o sucesso do empreendimento, estou certo de que o Adriano Imperador da Cerveja, já consolidado, conquistará novos frequentadores a cada dia.
      Um abraço!

      Excluir
  2. Gostei do local, fui ontem lá, cervejas especiais a preços camaradas e boas indicações do garçom. Pena que as bruschettas levaram somente 55min para chegarem a mesa. Como um prato de saída rápida pode demorar tanto assim?

    ResponderExcluir
  3. Concordo que a espera pelas bruschettas tenha excedido o razoável, e também acho que a casa, sobretudo pela proposta, acrescenta bastante à cidade.

    ResponderExcluir