Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Salomé Bar - 24/11/2012 (Estabelecimento fechado)

No Salomé Bar eu já havia comparecido em Agosto de 2012, por ocasião do evento mensal do Kekanto. Trazia ótimas recordações do ambiente, mas queria tirar uma segunda prova da cozinha, que não me encantou naquela primeira visita. Fomos, Vivian e eu, no cair da tarde de um domingo de novembro.

Chegando ao estabelecimento, fiz o "reconhecimento" do lugar, começando pelo último pavimento. É lá onde se localizam os banheiros, que vale dizer, são amplos, limpos e agradáveis. Quanto ao ambiente em si, ao que parece este somente é ocupado pela clientela a partir da lotação dos demais, o que pode ser explicado inclusive pelo seu exacerbado calor.

O ambiente intermediário, que é uma espécie de sacada do primeiro pavimento, tem a preferência dos casais. Já o primeiro a ser avistado quando se entra no Salomé, por fim, é o escolhido pelas turmas em suas confraternizações ou happy hours. Como sou muito encalorado, sugeri à Vivian ficarmos neste, e nos assentarmos na última mesa disponível junto aos janelões que dão vista para a rua. A nossa escolha, porém, só foi possível depois de termos convencido o garçom disso, já que a mesma lhe obrigaria a enxugar o chão próximo. Ainda hoje estamos na espera de tal iniciativa.

Para dar início ao que nos levou a este bar, que foi a expectativa por beber e comer bem, chamamos um segundo garçom. Este, mais simpático e proativo, serviu-nos um balde com duas garrafas de Original (R$ 6,20 cada), que estavam na temperatura adequada. Já a Vivian pediu um suco de abacaxi com hortelã, que por sua vez era bem menos encorpado do que o desejado.

No intuito de desfazer o desapontamento quanto aos quitutes da primeira visita, que foram a carne seca acebolada, o filé ao gorgonzola, o medalhão de frango e as bolinhas de queijo, sendo apenas o último deles realmente bom, resolvemos pedir algum prato que tivesse indicação. Foi quando me lembrei que um amigo me havia sugerido, certa vez, o sanduíche. Dentre as doze opções de lanches quentes e frios, optamos pelo "Mignon com cheddar" (R$ 17,90), para dividir. Composto por filé mignon (infelizmente em iscas), cheddar, muçarela e vinagrete na baguete, após a segunda mordida reclamei com o garçom pela ausência do queijo processado que dá nome ao sanduíche. Ele concordou que a cozinha pode ter esquecido, e logo me trouxe uma porção extra do mesmo. Ao me deparar com o potinho do pálido requeijão, notei que o "cheddar" já existia dentro do nosso lanche, por mais que que não tivesse nem o sabor e nem a aparência do mesmo. Uma pena que tenha me esquecido de fotografá-lo, para compartilhar com os amigos e leitores a "nova variedade" de cheddar. Seja como for, e apesar desse porém, considero que o sanduíche seja regular.

Depois de mais algumas garrafas, decidimos experimentar também o escondidinho de carne seca, este recomendado por meio de uma grande fotografia na capa do cardápio. Chegando à nossa mesa, notei que o Salomé trabalha com o purê de batatas, que na minha opinião não harmoniza tão bem com a carne de sol quanto o purê de mandioca. 

Custando na faixa dos R$ 15,00, o seu recheio se mostrou tão insosso quanto a porção de carne seca experimentada em minha primeira visita.

O bar, há que se dizer, é uma franquia da rede paulistana com matriz em Sorocaba, e para que se posicione em um patamar mais elevado, talvez lhe falte justamente um acompanhamento mais efetivo dos proprietários da marca, sobretudo no que se refere à cozinha. O recebimento de todos os cartões, aliado a um interessante ambiente, e ainda uma invejável carta de cachaças, são aspectos que hoje representam os pontos fortes da casa. Acertados os demais quesitos, o Salomé terá plenas condições de competir com os inúmeros estabelecimentos existentes ao seu redor.


Notas Pedrão

Ambiente: 4
Bebida: 3
Comida (peso 2): 2
Serviço: 3
Custo-benefício: 3

Notas Vivian

Ambiente: 3
Bebida: 2
Comida (peso 2): 3
Serviço: 2
Custo-benefício: 3

Média final: 3 estrelas


Salomé Bar
Rua Passatempo, 335 - Carmo
Tel: 3654-5004
.


2 comentários:

  1. Já tentei o Salomé umas 3 vezes e em todas elas a cozinha foi decepcionante, uma pena mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Gabi.

      Que providenciem a rápida solução deste aspecto caso queiram se firmar naquela concorrida região, não é verdade?

      Obrigado pela contribuição.

      Excluir