Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

sábado, 30 de junho de 2012

Baiana do Acarajé - 08/06/2012

Funcionando há 14 anos em ponto privilegiado da Savassi, o Baiana do Acarajé é hoje um bar e restaurante ímpar, não apenas por ser um dos mais procurados nas redondezas, como por abrigar um dos mais ecléticos públicos. Como os demais estabelecimentos cravados por ali, certamente sofreu os efeitos da polêmica revitalização que iria dar vida à "nova" Savassi.
Um mês depois de concluídas as obras, ambas unidades encontravam-se tomadas pela clientela. Apesar disso não foi difícil encontrar uma mesa no calçadão da filial, que é aquela mais próxima à Rua Paraíba.
Consultando à garçonete sobre as opções de cerveja, nos fora informado que tanto Brahma quanto Original, ambas em garrafas de 600 ml, custam R$ 5,80. Optamos pela segunda, e logo já pedi também uma casquinha de siri, para matar uma vontade que já estava fazendo aniversário. O bem executado quitute custa não mais do que R$ 8,00, e chega à mesa em um pratinho, acompanhado de farinha temperada e limão.
Depois de mais algumas geladas, viríamos a pedir também o prato que dá nome à casa, que é servido individualmente, ao preço médio de R$ 7,00, ou em porção com seis unidades, ao custo máximo de R$ 25,00. Fomos pela segunda alternativa, já que éramos quatro, e a verdade é que a convidativa porção durou poucos minutos sobre a mesa. Com os itens do acarajé apresentados em recipientes distintos, é possível optar por camarão defumado ou fresco, que foi a nossa escolha.
Tendo experimentado outros acarajés de Belo Horizonte neste ano, a visita comprovou que no Baiana do Acarajé a iguaria encontra-se um degrau acima da concorrência. Dirigido por baianos do sul daquele estado, que ainda priorizam os conterrâneos na composição do time de garçons, o bar sem dúvida faz por merecer a fama que conquistou. Fica recomendada a visita ao leitor que ainda não esteve por lá, para o qual antecipo também a dificuldade de vagas de estacionamento no entorno, bem como a facilidade do pagamento com cartões de crédito ou débito.


Notas Pedrão

Ambiente: 4
Bebida: 4
Comida (peso 2): 4
Público: 4
Serviço: 3
Custo-benefício: 4


Notas Vivian

Ambiente: 4
Bebida: 4
Comida (peso 2): 3
Público: 3
Serviço: 4
Custo-benefício: 3


Média final: 3,5 estrelas


Baiana do Acarajé
Rua Antônio de Albuquerque, 440 - Savassi
Tel: 3223-3635
.

2 comentários:

  1. Velho... deu água na boca de ler esse resumo. Sou muito fã de comida baiana, em especial o acarajé, e acho que deve ser meu principal motivo de ir à Feira Hippie. Essa Baiana do Acarajé com toda certeza terá minha visita em Breve.

    E como ficou a "novíssima" Savassi hein meu fiiilho!!! hehehe

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Grande Diogo, é um prazer receber mais este valioso comentário!

    No intuito de tecer novas resenhas já experimentei boa quantidade de acarajés em BH, e afirmo que este se encontra em um patamar superior, quando puder vá sim!

    A "nova" Savassi ficou menos arborizada e mais concretada do que eu gostaria de ver, mas ao menos ganhamos quatro "calçadões". Vale lembrar que a região continua sendo alvo dos noticiários em função de algumas polêmicas, como a provável padronização das mesas e cadeiras dos bares ali presentes, e mais recentemente o funcionamento do seu comércio até às 21 horas. Vamos ver ser surgirão outras ou se ficam por aí.

    Um abraço!

    ResponderExcluir