Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Cervantes - 11/11/2011

 
A saga dos “botequeiros de Beozonte na Cidade Maravilhosa” teve início pelo tradicional Cervantes. Este sim, pode ser chamado de “Bar e Restaurante”, já que entrando pela Rua Barata Ribeiro nº 7 é um legítimo botecão, com direito ao letreiro característico e o garçom montando, sem luvas, os sandubas com as mãos. Já pela Av. Prado Júnior, 335, podem ser avistadas as mesas e cadeiras do ambiente restaurante.
 

No bar pudemos conversar um dedo de prosa com alguns dos garçons, bem como conhecer a estufa onde ficam as carnes e queijos que irão rechear as centenas de sanduíches vendidos diariamente. Lá degustamos algumas calderetas de chopp Brahma, a R$ 5,00 cada, que devem ser bebidos de pé como no Mercado Central de BH, haja vista não existirem cadeiras ou banquetas, mas tão somente uma bancada que rodeia o bar. Canelas devidamente adoçadas, o mais recomendável foi nos dirigirmos à ala restaurante, sobretudo para sermos gentis com as três representantes da beleza mineira que nos acompanhavam.


O acesso pelo corredor interno, que estabelece comunicação entre os dois ambientes, é restrito aos funcionários, e portanto tivemos de dobrar a esquina das duas conhecidas vias para chegar ao restaurante. Na entrada desta ala uma pequena fila, desfeita na rápida medida em que os clientes foram se acomodando. Por dentro, um salão de restritas dimensões, aspecto este que, em conjunto com o ar condicionado de eficiência duvidosa, acabam por tornar o ambiente sobremaneira encalorado.

 


Mas enfim, era para beber e comer que lá entramos, e enquanto aguardávamos pelo último casal que iria compor o bonde dos mineirinhos, resolvemos consultar ao garçom, o paraibano Antônio, sobre algum petisco como entrada, culminando na pedida dos “croquetes do alemão”, que custam R$ 26,00 a poção. Combinado com mostarda escura fica razoável, mas longe do que esperávamos dos verdadeiros acepipes cariocas.


Depois do time devidamente completo, quando já beirava a meia noite, partimos com toda a vontade para cima dos afamados sanduíches. Experimentamos o de tender com queijo e abacaxi (R$ 15,00), e o de pernil com abacaxi (R$ 13,00). Composto por pão de leite e farto recheio de primeira qualidade, ambos são memoráveis, mas o segundo ainda mais saboroso. Sem sombra de dúvidas o melhor sanduíche do Brasil, que por si só vale um retorno àquela capital.


Serviço:
Cervantes
Av. Prado Júnior, 335 - Copacabana - Rio de Janeiro - RJ
Tel: 2275-6147
.

6 comentários:

  1. Hehehe...

    Isso aê meu filho, vc que gosta de fortes emoções visitar aquela cidade! Ver aquilo lá só por vídeo ou pelo seu BLOG aqui mesmo, pq eu, num passo nem perto de lá!!! rsrsrsrs

    Aquele abraços meu fiiilho...

    ResponderExcluir
  2. E olha que a gente tava batendo perna em plena meia noite na Av. Atlântica lotada que só vendo, hehehe.

    É isso aí, "meu filho"!!

    ResponderExcluir
  3. Pedrão,
    e aí velho. Estou precisando marcar uma butecada com você e o Nenel.
    Um abraço,
    Augusto

    ResponderExcluir
  4. Mestre Augusto,

    Que prazer tê-lo por aqui!

    Cara, a partir da segunda semana de dezembro estarei de férias da faculdade, e portanto livre de segunda a segunda, vamos falar com o Nenel e marcar sim.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  5. Olha que interessante cara,

    Deu no Jornal de hoje(27/06/2012)... 20 funcionários do Cervantes ganharam 12 milhões na loteria. Que massa, vcs foram atendidos por milionários!!! ahahhaha

    Xique no Urtimo!!!

    ResponderExcluir
  6. Bem legal essa curiosidade que compartilha aqui, Diogo. Será que continuarão por lá ou abrirão negócios próprios? Certo é que algum desfalque o proprietário sofrerá, hehehe.

    Um abraço!

    ResponderExcluir