Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Cantina do Lucas - 27/10/2011





Falar em restaurantes tradicionais de BH sem mencionar a Cantina do Lucas, como diriam meus conterrâneos Chico Amaral e Samuel Rosa, “é improvável, é impossível”, já que a casa representa verdadeira instituição da boemia local. Apesar de tamanha notoriedade, a visita que aqui relato foi a primeira que fiz em minhas três décadas de vida. Por tamanha demora eu não sei se culpo a meu pai, que durante minha infância tinha preferência pelo filé a parmegiana da saudosa Cantina do Ângelo, se culpo a minha falta de grana durante os tempos de faculdade, que sempre me empurravam para o seu vizinho Xok Xok, ou se culpo ainda a minha estada de três anos fora da cidade. Seja como for, neste momento isso pouco importa, uma vez que o restaurante permanece no mesmo lugar de cinqüenta anos atrás, e pode ser visitado quantas vezes se queira.

Minha ida que aqui compartilho aconteceu em plena quinta-feira, durante o meu horário de almoço, o que acabou por impossibilitar que eu bebericasse uma Bohemia das mais geladas, pela qual não se paga mais do que R$ 6,00 a garrafa de 600ml. Foi a base da Água Tônica (R$ 2,50 a lata) que experimentamos o seu famoso filé a parmegiana (R$ 49,00), que conforme o garçom só perde em pedidos para o Filé a Surprise (R$ 54,00). O prato é para duas pessoas, mas éramos três, e acompanhado de mais uma porção de arroz com brócolis e alho (R$ 6,75), comemos muito bem!

O ambiente da Cantina do Lucas, reconhecida como patrimônio cultural de Belo Horizonte, tem toda a sua peculiaridade, que vai do teto decorado por várias garrafas de vinho aos azulejos portugueses que revestem a fachada e o balcão, além de quadros que estampam diferentes momentos da cidade. O serviço é à moda antiga, com garçons trajados como tal e munidos de todas as informações necessárias para que os clientes façam boas escolhas. Por todas essas afirmo que a casa faz jus ao título recebido, e merece muitas e muitas re-visitações.



Serviço:
Cantina do Lucas
Av. Augusto de Lima, 233 - loja 18 (Edifício Maletta) – Centro
Tel: 3226-7153
.

2 comentários:

  1. Já tomei algumas lá. É puxado o preço, mas vale a pena. Bohemia geladíssima.

    ResponderExcluir
  2. Fala Leozin!

    Satisfação tremenda em lhe ver por aqui, meu velho!

    Verdade, por lá se paga também pela história do restaurante.

    Grande abraço!

    ResponderExcluir