Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Chef Túlio - 13/10/2012

Tenho o privilégio de acompanhar, há quase vinte anos, a história do Bar Chef Tulio. Fui vizinho da praça Estevão Lunardi por 15 anos, e naquela região, onde o Horto chega perto de Santa Tereza e da Sagrada Família, criei gosto pelos bares e pela boemia. Lembro-me que celebramos ali o tetracampeonato do Brasil, em 94, quando no imóvel ainda funcionava o Pipou’s, do Sr. Ademar.

Um ou dois anos depois surge o Chef Tulio, um lugar muito diferente do anterior, que quando muito fritava algumas batatas para fazerem papel de tira-gosto. Já o novo bar, com um cardápio inovador para a época e instalações mais aconchegantes, de início foi confundido por muitos como um restaurante. Boteco naquele tempo só vendia cerveja, e o simples amendoim torrado dos ambulantes poderia ser o melhor petisco da noite.

No novo bar eu experimentaria coisas que para mim eram inimagináveis, como o chili ou a maionese de abacate, iguaria esta que acompanha o surubim na pedra. Diferentemente dos botecos de então, seu objetivo não era só vender as nossas bebidas favoritas, quais sejam a cerveja e a cachaça, mas também oferecer ao cliente os seus saborosos e criativos pratos.

Hoje o bar é maior e melhor decorado, e essa visita que aqui relato foi motivada por um jogo de futebol no Estádio Independência, onde acabamos não comparecendo. Ficamos por ali mesmo, tomando uma Original (R$ 6,00) e acompanhadno o movimento dos arredores.

Para petiscar demos início pelo “De volta às raízes” (R$ 34,90), prato que concorreu no Comida di Buteco 2007. Trata-se do tradicional filé com fritas, porém com acréscimo de ervas sobre as batatas, e de um creme de palmito a parte. Atendendo bem a duas pessoas, é a pedida certa aos clientes de paladar mais conservador.

Os Nachos (R$ 21,90), por sua vez, revelam ao cliente a influência norte americana da casa, o que se explica pelas boas temporadas do Tulio nos Estados Unidos. Mesmo que no dia da visita as tortilhas estivessem menos crocantes do que o desejado, trata-se de um petisco que atende inclusive aos vegetarianos, além de acompanhar muito bem uma cerveja gelada.

Além dos dois pratos mencionados, uma série de outros petiscos e refeições merecem ser provadas. E também as opções sazonais da casa, criadas a cada novo verão e novo inverno.

O atendimento é realizado por garçons que já nos são velhos conhecidos, a exemplo do Paulinho e do PC. Experientes, assim como as cozinheiras, a equipe do Chef Tulio é capaz de segurar as pontas do bar inclusive na ausência do dono. A higiene também não desaponta, e o ambiente, privilegiado por ter uma praça quase exclusiva, é dos mais agradáveis da cidade.

Vale lembrar que, de uns anos pra cá, o Chef Tulio passou a servir almoços executivos de segunda a sexta, mantendo as opções a la carte aos sábados e domingos. Como pagamento admite cartões de crédito e débito, e nos dias de jogo do Atlético e do Cruzeiro vende aos torcedores a cerveja e o mexidão em recipientes descartáveis.


Notas:

Ambiente: 5
Bebida: 4
Comida (peso 2): 3
Serviço: 4
Custo-benefício: 3


Média final: 3,5 estrelas


Chef Túlio
Praça Estevão Lunardi, 24 - Horto
Tel: 3482-7724
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário