Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Baobar - 29/09/2012

Chegando, avistamos a Casa África, cuja fachada é pintada em algum tom de vermelho. Recebemos nossas comandas e seguimos pelo corredor lateral até o quintal, conforme orientado pelo porteiro. É lá, nos fundos do Consulado de Senegal, que funciona o Baobar. Era uma agradável noite de setembro, e o convite para que eu conhecesse o bar partiu da minha irmã, que mora próximo.

Já de início percebemos o cuidado quanto à decoração, que pode ser notada apesar da pouca luminosidade do ambiente, a qual cria dificuldade inclusive para que se leia o cardápio. Não que eu aprecie ambientes excessivamente iluminados, que fique claro. Mas no caso em questão faltou o necessário equilíbrio.


Fomos acomodados pela garçonete em uma grande mesa ao fundo, de onde é possível avistar todo o quintal. De um lado o bar, onde são preparados os drinks e armazenadas as demais bebidas. Do outro o palco, em um ambiente rebaixado, espécie de arena. E ao fundo os banheiros, que como o restante da casa, apresenta uma decoração peculiar.


Fiquei curioso pelos drinks do Baobar, e acatei a sugestão da garçonete para que experimentasse o Marelo (R$ 10,00). Composto por rum, mexerica, limão e manjericão, estava mal executado e pouco saboroso, tendo agradado apenas pelo visual. Pior ainda seria o aguado suco de abacaxi pedido pela Vivian.


Depois do drink migrei para a cerveja Brahma (R$ 6,00), que foi servida em temperatura inferior ao ideal. Quis trocar para a long neck, mas não havia disponibilidade desta no dia da visita. Todas as informações obtidas com muito custo junto à garçonete, que além de única, não fora treinada para desempenhar tal função.

Resolvemos petiscar alguma coisa, na expectativa de que as nossas impressões melhorassem, e de início pedimos o Nam, que é uma porção com dois rolinhos senegaleses de massa de arroz preparados com recheio de carne e legumes (R$ 6,00). Um petisco curioso, que poderia ser mais do que regular se não estivesse encharcado.


Após, perguntamos à garçonete do que era feito o “mix de tubérculos fritos” (R$ 12,00), tendo ela esclarecido que é composto por batata inglesa, batata doce e mandioca, todos fritos. Lamentável a predominância das malfadadas fritas processadas, assim como o indiscreto sabor de caldo Knorr no molho de cebola pedido à parte (R$ 2,00).


O próximo quitute seria o Fataya, pastel senegalês que pode receber o recheio de carne, legumes ou peixe. Custando R$ 12,00 e sendo composta por oito unidades, pedimos metade de carne e a outra metade de legumes. Infelizmente foi outra que não agradou aos presentes, já que algumas unidades estavam muito pequenas, e outras além do ponto de fritura.


Minha irmã pediu uma dentre as cinco opções de refeição disponíveis, no caso o Yassa (R$ 12,00), que é o frango ao molho de cebola com mostarda dijon, acompanhado de arroz branco e salada. Este teria sido o mais saboroso prato da noite, já que ao tempero no “Dim de carneiro” (R$ 36,00), que é a carne de carneiro a passarinho, também foi acrescentado caldo Knorr ou algum similar.

Falando da música ao vivo, a dupla que tocou algo de samba e MPB iniciou a sua apresentação por volta de 21h. Entretanto às 22h já anunciavam o encerramento desta, tornando quase um assalto o couvert de R$ 10,00.


Ao final tivemos de nos dirigir ao interior da casa para efetuar o pagamento, onde notamos existir a venda de artesanato e roupas africanas. Antes de passar o meu cartão de débito, já que o crédito é recusado por ali, tive de corrigir a conta feita à mão pelo Cônsul honorário de Senegal, que a modificou prontamente.

Caso o leitor more perto ou tenha curiosidade pela cultura e gastronomia africana, visite o Baobar, e depois nos conte se os devidos ajustes aconteceram.

Notas Pedrão:

Ambiente: 4
Bebida: 1
Comida (peso 2): 2
Serviço: 1
Custo-benefício: 2

Notas Vivian:

Ambiente: 3
Bebida: 2
Comida (peso 2): 2
Serviço: 2
Custo-benefício: 2

Média fina: 2 estrelas


Baobar - Casa África
Rua 28 de Setembro, 476 - Esplanada
Tel: 3653-4244
.

3 comentários:

  1. Coisa boa de se saber, é que em senegal a comida é super oleosa mesmo, e tudo leva "gosto" caldo knor. Sendo assim, o restaurante é tipicamente senegalês!
    EU AMOOOOO

    ResponderExcluir
  2. Caro Quésede,

    Seja bem vindo ao blog Butecage, e obrigado pela sua participação.

    ResponderExcluir
  3. É bom ficar esperto com esse lance da conta também... comigo aconteceu o mesmo....

    ResponderExcluir