Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Comida di Buteco 2012 - Bares do Prado

O bairro Prado, que propago sem medo de errar como um notável celeiro de botecos da nossa BH, tem aqui uma resenha específica para os seus dois representantes no Comida di Buteco 2012. E isso não se deve exclusivamente à qualidade dos seus bares, mas também aos pratos ímpares que Agosto Butiquim e Patorroco apresentaram no ano do queijo. Tão bons que ambos ficaram bem colocados no evento, o primeiro em sétimo, e o segundo no primeiríssimo lugar.

No disputado Agosto Butiquim conhecemos o “Julieta fez em trouxas Romeu embrulhadinho”, e para conseguirmos mesa aterrissamos por ali quando passava das 22h do feriado de primeiro de maio. Já no dia da divulgação da lista, este foi um dos três pratos que mais me chamou a atenção, e os seus inúmeros comentários favoráveis só fizeram que a minha expectativa aumentasse.

Por termos chegado tarde, receamos por um atendimento pouco amistoso, o que definitivamente não aconteceu. Ao contrário, fomos recebidos com um largo sorriso pela Joana, que como boa anfitriã, nos conduziu à mesa onde permaneceríamos sendo bem atendidos pelo garçom. Tratamos de ir pedindo o prato e uma garrafa de Original (R$ 6,00), que conforme já postado no grupo, chegara à mesa como canela de pedreiro.
Poucos minutos depois nos é servido o petisco, mas numa apresentação diferente da retratada na foto oficial. Ocorre que é com muita satisfação que digo isso, já que na verdade recebemos um prato muito mais caprichado do que o esperado. As fartas e carnudas costeletas suínas empilhadas, que podem ser regadas em um ótimo molho de goiabada a parte, fizeram com que eu me sentisse um verdadeiro ogro, tamanho o entusiasmo. O gosto de defumado é forte, é bem verdade, e os que não apreciam podem desagradar. Como este não é o nosso caso, tratamos de deixar apenas os ossos no prato.

Na mesma linha, é também insinuante o queijo canastra das trouxinhas, sabor que ao ser envolvido pela crocante casquinha torna este item outro ponto forte do prato. E é ai que entram as batatas, criticadas por muitos pelo suave tempero, mas que conseguem dar o necessário equilíbrio a um prato de sabores tão intensos.
Como já disse em outras oportunidades, em 2012 experimentei no mínimo uma dezena de ótimos pratos. Todavia o Agosto manteve-se um passo a frente dos demais não apenas por seu quitute, como também pela excelência impar adquirida ao longo dos anos. Por ali o ambiente é ótimo, a cerveja é gelada, o atendimento é primoroso, o banheiro é cheiroso, os preços são honestos e a cozinha dispensa comentários. Acho até bom que não recebam cartões de crédito, pois do contrário passaria até os meus arrochados finais de mês neste Botequim.

O segundo representante do Prado, que é justamente aquele que veio a se sagrar campeão, é um bar já consagrado no evento. Ousado, em 2012 o Patorroco retornou o estilo que lhe fez a fama, elaborando ao seu modo algum prato tradicional. Dessa vez a brincadeira teve como inspiração a culinária árabe, e para chegar ao seu quitute tratou de repaginar o chancliche, que é onde entra o queijo minas. Servido junto a finas fatias de lagarto na conserva agridoce e pãezinhos sírios, acompanha muito bem aquela cerveja gelada, e obteve inquestionável destaque dentre os 41 concorrentes. Atende bem a duas pessoas, ou a mais se a intenção for apenas petiscar.

Antes de nos sentarmos, uma fila de espera organizada, onde recebi a informação de que, caso desejasse cerveja antecipada, deveria me dirigir ao balcão para pedir. Depois de algumas informações desencontradas sobre a venda da bebida, consegui um geladíssimo copo de chopp, pelo qual paguei R$ 4,00 de antemão.
Já à mesa, recebemos cerveja gelada como nos bons botecos, porém vendida a preço de barzinho da moda em Lourdes (R$ 6,70), e ainda sem qualquer opção dentre os rótulos clássicos da AMBEV. Atendimento que não comprometeu e um ambiente bem agradável, com mesas no passeio e também junto à margem da rua. No fim das contas, estou certo de que a sua vitória tenha sido justa, e aos que ainda não foram conhecer o petisco eu sugiro que não demorem a fazê-lo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário