Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Bar do Agostinho - 17/06/2012

A convite do Augusto Borges, responsável pelo Blog Augusto no Boteco, estivemos na casa do seu quase xará, o Agostinho. Digo casa porque é literalmente a residência do dono do bar, para não dizer anfitrião. Tanto que apenas na terceira passagem pelo local, depois de ter espiado pela greta e visto alguns engradados empilhados, acreditei que o pitoresco boteco poderia ser ali mesmo. Certo é que a velha Brasília, parada na garagem frontal, contribui bastante com o disfarce.

Depois de devidamente recepcionado pelo Sr. Agostinho, que me explicou os dissabores que lhe forçaram a manter fechada a porta, fui conduzido ao "ambiente bar", onde a cllientela não tem como se sentir mais em casa.
Nos unimos então ao Eugênio Raggi, notável seguidor do blog do Augusto, que já estava por ali com a sua família. Daí em diante pude tomar aulas de vários mestres da arte de botecar, todas elas regadas por Brahma a R$ 5,00 e Original a R$ 5,50.

Quando quisemos petiscar, o Agostinho nos passou as opções do dia, e demos início pela linguiça, que custa R$ 5,00 cada pedaço, de excelente qualidade vale dizer. Verdadeiro tira-gosto de boteco.
Mais tarde experimentaríamos o bifão a milanesa (R$ 25,00), certeiro como o primeiro quitute por também ser simples e saboroso.
Além da cerveja gelada e dos bons petiscos, o bar já foi palco de apresentações musicais em um período não muito distante. Aliás, conforme informação do cliente Eugênio, estávamos no segundo ponto do boteco, que ganhou fama, inclusive por meio da música ao vivo, em um primeiro endereço ali mesmo no Prado.

Como grande parte dos botecos legítimos, não tem maquinetas de cartão, porém recebe cheques. A conta no patamar das quarenta pratas por cabeça não se mostrou mais vantajosa que as de seus pares, mas por outro lado vivemos algumas horas de abundância.

Vale lembrar que o encontro foi o pontapé inicial para o Off CdB, em um segundo momento apelidado de CdB genérico, que visa justamente o resgate daquela butecage legítima, com menos regras e mais descontração. E que assim seja.


Notas:
Ambiente: 4
Bebida: 4
Comida (peso 2): 4
Público: 4
Serviço: 3
Custo-benefício: 3

Média final: 3,5 estrelas

Bar do Agostinho
Rua Calcedônia, 109 - Prado
Tel: 3334-5576
.

Nenhum comentário:

Postar um comentário