Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Oratório - 15/01/2015

Já tem alguns anos que este quarteirão, com início no Brasil 41 e término no Oratório Bar, é um dos mais disputados do carnaval de BH. Nossa última passada por ali, contudo, aconteceu um pouco antes da festa, ainda em janeiro.

Era um final de tarde da mais encalorada semana que se tem notícia, quando julgamos que o amplo e descoberto passeio do Oratório nos seria uma das mais refrescantes opções. Como chegamos poucos minutos depois da abertura do bar, pudemos escolher a mesa com tranquilidade.


É engraçado observar como a minha noção de tempo se perde vez por outra, pois apesar do Oratório constar em meus registros mentais como um bar novo, o mesmo já caminha para o seu sétimo aniversário.  Pode se dizer, portanto, que o boteco já está mais do que consolidado no cenário gastronômico da cidade.


O casarão onde o mesmo funciona é um capítulo à parte. Com a fachada bem conservada, e situado de frente à igreja de Santa Efigênia dos militares, é capaz de transmitir ao cliente uma sensação de nostalgia que, particularmente, muito aprecio.


No dia desta última visita, bebi cerveja Austria Beer ($ 8,90), mas também experimentei duas de suas “CaipFrutas Smirnoff” (R 11,90). A primeira delas, deliciosa e refrescante, foi preparada com Kiwi.


A outra, igualmente interessante, recebia maracujá. São muito bem feitas e, para quem não deseja consumir álcool, podem ser preparadas sem a adição da vodca, e a preço de suco ($ 4,50).


Para comer, a nossa primeira escolha foi uma porção de frios, porém a mesma não estava disponível. Pedimos então o Mercado Central, que nada mais é do que fígado com jiló, mas também não tinha. Na terceira tentativa, quisemos o Bão pra caramba (R$ 33,90), que é a maçã de peito reservada na lata, acompanhada de mandioca cozida, e novamente recebemos uma negativa, sempre seguida da sugestão de um dos “especiais”, que são mais caros. Já estávamos decididos a pedir a conta e ir para outro bar, quando a garçonete voltou dizendo que era possível servir a nossa última alternativa.


O que ela não disse é que se trata de uma senhora porção, não apenas saborosa, como também generosa. A carne de lata, muito bem temperada, se desmanchava, enquanto a mandioca cozida, bastante macia, leva equilíbrio ao prato.


O nosso veredicto sobre o Oratório, por fim, só não será completamente favorável em razão do serviço. Não falo apenas dos garçons, vez por outra desatentos, mas também da cozinha, que deixou de nos servir duas porções por falta de ingredientes em estoque. Se estiver em um dia de bom humor, com paciência para relevar o que foi relatado, vá e se delicie!


Notas:

Ambiente: 4
Atendimento: 2
Bebida: 4
Comida (peso 2): 4
Custo-benefício: 3

Média final: 3,5 estrelas


Oratório
Av. Brasil, 161 – Santa Efigênia - Belo Horizonte - MG
Tel: (31) 3241-7112
Pagamento: aceita cartão de crédito e débito
Preço médio por pessoa: R$ 60,00*

*Consumo individual, em rateio ou não, de uma porção para dois, ou duas porções para um, de preço médio, acrescida(s) de duas bebidas e, quando houver, serviço e couvert/entrada. As bebidas podem ser duas cervejas de 600 ml, quatro cervejas de 350 ml, dois drinks, ou duas doses de cachaça, dependendo da especialidade do bar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário