Espaço destinado aos relatos críticos de andanças pelos botecos belo-horizontinos, assim como aos pitacos sobre outros lugares quaisquer.
Traduzir para ChinêsGoogle-Translate-Portuguese to FrenchGoogle-Translate-Portuguese to GermanGoogle-Translate-Portuguese to ItalianGoogle-Translate-Portuguese to JapaneseGoogle-Translate-Portuguese to EnglishGoogle-Translate-Portuguese to RussianGoogle-Translate-Portuguese to Spanish Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain

sábado, 21 de dezembro de 2013

Quermesse - 23/11/2013

Fui ao Quermesse por razão de um aniversário, mas desde que o bar foi inaugurado, em agosto, tinha vontade de conhece-lo. As convidativas fotos do lugar, que circularam em seus canais de divulgação e na imprensa, foram os motivadores. Pelas imagens, idealizava uma casa aconchegante, com música de qualidade e luz indireta. Excetuando-se a última característica, me enganei redondamente, já que na verdade o ambiente interno é abafado, e o botequim é todo muito barulhento. Não suficiente o alto volume das conversas, os diversos televisores transmitindo jogos de futebol, mesmo que no silencioso, acabaram por jogar um balde d’água fria em minhas expectativas. Vai ver era eu que não estava no clima, mas é bom deixar claro que o Quermese é o mais novo bar da galera na Rua Pium-í. E que recebeu um “banho de loja” depois de abrigar o Maná Fine Sandwiches, de ambiente despojado, e a Stela Maris Creperia, que não conheci.


Às cervejas de 600 ml é oferecida a opção do balde com cinco garrafas, vendido com desconto, e que também funciona como um chamariz para as turmas. Apesar de listada no cardápio, a Heineken não existe na prática, restando os rótulos da AMBEV. A Serramalte em garrafa avulsa, por exemplo, custa R$ 9,00, preço superior ao praticado por bares já consagrados.


Os drinks, que como as louras saem bastante, foram apelidados de caipira (R$ 12,50), e combinam uma fruta com uma variedade de bebida. Este pode ser o saquê, o vinho, o steinhaeger, a cachaça ou a vodka, enquanto aquela varia entre limão, morango, uva, kiwi e abacaxi. Iniciei pela mistura de kiwi com vodka, que deixou saudades!


Depois experimentei o mesmo destilado misturado ao morango, combinação que ficou menos interessante do que a primeira.


Em busca de algo para tapear a fome, vi que o “Caviar da Roça” e o “Frango Mafioso” se fazem presentes no cardápio. Não sei dizer se o Patorroco e o Chef Túlio receberam os seus “royalties”, mas a mesa preferiu iniciar os trabalhos com a “Corda Alemã”, que são fatias de salsicha tipo Viena (Bock e Branca) cozida, acompanhada de chucrute e mostardas escura e clara. É um prato que agrada aos olhos, porém a fina espessura das fatias compromete o sabor do embutido. Ademais, mostrou-se regrado pelas trinta pratas cobradas, obrigando-me a concordar com meu pai, presente à mesa, quanto à mesquinharia dos botequins belo-horizontinos ante os cariocas, por exemplo.


O segundo petisco, escolha da minha irmã, foi o “Bife sujo de alcatra”, que são iscas de miolo de alcatra preparadas na chapa, acompanhadas de fatias de pão francês e de mandioca cozida com manteiga de garrafa, que podem ser substituídas por fritas. Custando R$ 38,90, o prato levou à mesa a qualidade e a quantidade prometidas para a carne, e se revelou uma atraente pedida.


Mediante forte apelo da ala feminina da mesa, resolvemos encerrar com os mini-churros (R$ 19,00), sobre os quais já havia lido elogios. Pedimos que fossem recheados de doce de leite e acompanhados por nutella, como permite o cardápio, porém a garçonete voltou para informar que a nutella havia acabado, desculpa que expõe o pouco planejamento do estoque, bem como a falta de iniciativa para se adquirir o item em qualquer das dezenas de supermercados nos arredores.


Nova decepção com a chegada do prato, que na verdade são bolinhos de chuva, muitos deles sem o recheio, possivelmente por este ter vazado na fritura. Completando o fiasco da sobremesa, o doce de leite industrializado, servido à parte, é de baixa qualidade.


Finalizo dizendo sobre o mimo da casa para quem comemora lá o seu aniversário, de um espumante com vela, no melhor estilo “rei do camarote”. Mais um incentivo aos grupos, que têm no Quermesse um de seus destinos seguros.


Notas:

Ambiente: 3
Atendimento: 3
Bebida: 3
Comida (peso 2): 2
Custo-benefício: 2

Média final: 2,5 estrelas


Quermesse
Rua Pium-í, 1175 – Sion – Belo Horizonte - MG
Tel: (31) 3284-9683
Pagamento: aceita cartão de crédito e de débito
Preço médio por pessoa: R$ 65,00*

*Consumo individual, em rateio ou não, de uma porção para dois, ou duas porções para um, de preço médio, acrescida(s) de duas bebidas e, quando houver, serviço e couvert/entrada. As bebidas podem ser duas cervejas de 600 ml, quatro cervejas de 350 ml, dois drinks, ou duas doses de cachaça, dependendo da especialidade do bar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário